terça-feira, 13 de novembro de 2018

Evolução Humana - Pré-História


Tabela: Períodos da pre-história




Período Paleolítico

Características do período Paleolítico




Mapa Paleolítico




Paisagens do Paleolítico






Mapa Paleolítico


Período Neolítico 

Características do período Neolítico 




Paisagens do Neolítico 



Mapas - Neolítico



Características Idade dos Metais 




Paisagens da Idade dos Metais 




Mapa - As Primeiras Cidades 


Paisagens Primeiras Cidades 







Evolução Humana




terça-feira, 28 de agosto de 2018

Grandes Navegações




O que foi a Era das Grandes Navegações, resumo, história dos descobrimentos marítimos, viagens, pioneirismo de Portugal, consequências contexto histórico





Durante os séculos XV e XVI, os europeus, principalmente portugueses e espanhóis, lançaram-se nos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico com dois objetivos principais: descobrir uma nova rota marítima para as Índias e encontrar novas terras. Este período ficou conhecido como a Era das Grandes Navegações e Descobrimentos Marítimos.

Os objetivos principais

No século XV, os países europeus que quisessem comprar especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos), tinham que recorrer aos comerciantes de Veneza ou Gênova, que possuíam o monopólio destes produtos. Com acesso aos mercados orientais - Índia era o principal - os burgueses italianos cobravam preços exorbitantes pelas especiarias do oriente. O canal de comunicação e transporte de mercadorias vindas do oriente era o Mar Mediterrâneo, que era dominado pelos italianos. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito desejada. Portugal e Espanha desejavam muito ter acesso direto às fontes orientais, para poderem também lucrar com este interessante comércio.

Outro fator importante, que estimulou as navegações nessa época, era a necessidade dos europeus de conquistarem novas terras. Eles queriam isso para poder obter matérias-primas, metais preciosos e produtos não encontrados na Europa. Até mesmo a Igreja Católica estava interessada neste empreendimento, pois, significaria novos fiéis.

Os reis também estavam interessados, tanto que financiaram grande parte dos empreendimentos marítimos, pois com o aumento do comércio, poderiam também aumentar a arrecadação de impostos para os seus reinos. Mais dinheiro significaria mais poder para os reis absolutistas da época (saiba mais em absolutismo e mercantilismo).

Pioneirismo português




Portugal foi o pioneiro nas navegações dos séculos XV e XVI, devido a uma série de condições encontradas neste país ibérico. A grande experiência em navegações, principalmente da pesca de bacalhau, ajudou muito Portugal. As caravelas, principal meio de transporte marítimo e comercial do período, eram desenvolvidas com qualidade superior à de outras nações. Portugal contou com uma quantidade significativa de investimentos de capital vindos da burguesia e também da nobreza, interessadas nos lucros que este negócio poderia gerar. Neste país também houve a preocupação com os estudos náuticos, pois, os portugueses chegaram a criar até mesmo um centro de estudos: A Escola de Sagres.

Planejamento das Navegações

Navegar nos séculos XV e XVI era uma tarefa muito arriscada, principalmente quando se tratava de mares desconhecidos. Era muito comum o medo gerado pela falta de conhecimento e pela imaginação da época. Muitos acreditavam que o mar pudesse ser habitado por monstros, enquanto outros tinham uma visão da terra como algo plano e, portanto, ao navegar para o "fim" a caravela poderia cair num grande abismo.

Dentro deste contexto, planejar a viagem era de extrema importância. Os europeus contavam com alguns instrumentos de navegação como, por exemplo: a bússola, o astrolábio e a balestilha. Estes dois últimos utilizavam a localização dos astros como pontos de referência.

Também era necessário utilizar um meio de transporte rápido e resistente. As caravelas cumpriam tais objetivos, embora ocorressem naufrágios e acidentes. As caravelas eram capazes de transportar grandes quantidades de mercadorias e homens. Numa navegação participavam marinheiros, soldados, padres, ajudantes, médicos e até mesmo um escrivão para anotar tudo o que acontecia durante as viagens.

Navegações portuguesas e os descobrimentos

A expansão marítima portuguesa teve início em 1415, com a conquista de Ceuta, localizada no norte do continente africano.

No ano de 1498, Portugal realizou uma das mais importantes navegações: a chegada das caravelas, comandadas por Vasco da Gama às Índias. Navegando ao redor do continente africano, Vasco da Gama chegou à Calicute e pôde desfrutar de todos os benefícios do comércio direto com o oriente. Ao retornar para Portugal, as caravelas portuguesas, carregadas de especiarias, renderam lucros fabulosos aos lusitanos.

Outro importante feito, foi a chegada das caravelas de Cabral ao litoral brasileiro, em abril de 1500. Após fazer um reconhecimento da terra "descoberta", Cabral continuou o percurso em direção às Índias.

Em função destes acontecimentos, Portugal tornou-se a principal potência econômica da época.

Navegações Espanholas


A Espanha também se destacou nas conquistas marítimas deste período, tornando-se, ao lado de Portugal, uma grande potência. Enquanto os portugueses navegaram para as Índias contornando a África, os espanhóis optaram por outro caminho. O genovês Cristóvão Colombo, financiado pela Espanha, pretendia chegar às Índias, navegando na direção oeste. Em 1492, as caravelas espanholas partiram rumo ao oriente navegando pelo Oceano Atlântico. Colombo tinha o conhecimento de que nosso planeta era redondo, porém, desconhecia a existência do continente americano. Chegou em 12 de outubro de 1492 nas ilhas da América Central, sem saber que tinha atingido um novo continente. Foi somente anos mais tarde, que o navegador Américo Vespúcio identificou aquelas terras como sendo um continente ainda não conhecido pelos europeus. Em contato com os índios da América (maias, incas e astecas), os espanhóis começaram um processo de exploração destes povos, pois estavam interessados na grande quantidade de ouro. Além de retirar as riquezas dos indígenas americanos, os espanhóis destruíram suas culturas.


Mapa da Era das Grandes Navegações e Descobrimentos (ano 1570)

Artigo publicado em: 15/08/04 / Última revisão: 13/08/18
___________________________________

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).
Fonte: https://www.suapesquisa.com

O Campo Magnético da Terra e as Bússolas

sábado, 25 de agosto de 2018

Relógio de Sol no Mundo

Stretching gracefully across the Sacramento River in Redding, CA is this glass bottomed bridge opened in 2004. It is suspended by cables from the white tower structure. The tower is on the north shore of the river and is the gnomon of a sundial. The river is important for salmon spawning and by law is not to be disturbed by the structure. This work of art is by Spanish architect and engineer Santiago Calatrava. Read more about the designer and the bridge at this link. Visit this Google Maps view showing the north-south orientation of the structure.
A simple and traditional design of a sundial involves a horizontal plate with a gnomon pointing toward the north star. In this version, the gnomon is a triangular shape. That makes no difference. It just needs to cast a shadow.
School children have made sundials for generations. The lessons use a wide variety of materials and styles. They all work. With a little care, tape, staples, scissors, paper, and glue, a functional sundial can be made such as this one. Here are directions if you want to try making one similar to this yourself.
I did some Googling around and collected some other interesting and unique examples of sundials around the world. I learned some local history along the way which I have added to the pictures. Join me below for the tour. It won’t take much of your time.

By the way, does anyone know what time it is?

 This 13 foot sundial is at the Adler Planetarium on the Chicago lakefront. It is by Henry Moore and was erected in 1980. It is called Man Enters the Cosmos. I like the Chicago skyline in the background. It is one of my favorite places in the city.
☼ Farther north in Canada we find this sundial. A person must be standing in place to provide the gnomon for the it to function. It is part of the Keppel Croft Gardens in Grey County, Ontario. There are some additional pictures and notes by the builder Steve Irvine at this link.
☼ Next, we travel to the Forbidden City in China. For scale, notice the people standing nearby. Here is a link to a larger image with a more comprehensive view of the sundial and its mount.
This sundial dates from the Ming Dynasty (1368-1644). It is located in front of the Hall of Supreme Harmony as a symbol that the Emperor was the source of the standards of time. Timekeeping is an important government function in any culture.
☼ San Francisco is the home to this sundial at Ingleside Terraces on Entrada Court. The gnomon is over 28 feet long. It was dedicated October 10, 1913. The Panama Canal ‘meeting of the waters‘ was also on that date. That is when a detonation allowed the Pacific and Atlantic waters to meet. The first official transit of the canal was on August 15, 1914.
☼ Sundials are not always large outdoor objects. This is a pocket sundial and compass from 1673. It resides in the Morristown National Historic Park. Made in France, the back is inscribed with ‘Roch blondeaux Paris 1673.’ Dimensions are 5.1 x 4.1 cm, about half the size of this image. It is made of silver and glass.
☼ Now for a sundial with a goal of precision and accuracy of 30 seconds. Made by Hoffmann Albin, Belgium. This link gives you all the details if you are interested in having one custom made. It is stainless steel, 30 cm in diameter, and delivered in 6 weeks. Price is just over $2000.
☼ This sundial is wall mounted on the side of the church at Eyam – the Derbyshire Plague Village. Follow the link for more about the plague and its effect on the village in 1665-1666. Eyam lost 260 lives out of a population of around 800 in fourteen months after deciding to quarantine the village to spare others. There is also a 10 min video of their story. The inscription on a plate below reads 1775.
☼ Last is this interesting sundial using water refraction as the gnomon. It needs to be adjusted as the sun progresses north and south through the seasons. Plus, it won’t work well in freezing climates without a healthy dose of anti-freeze.

Fonte: https://jarphys.wordpress.com